Logística

Projeto de lei BR do Mar poderá causar uma queda no custo do frete no Brasil

Segundo a Esalq Log, poderá haver uma oferta maior de transporte rodoviário no país para curtas distâncias, beneficiando todos os setores da economiaAinda pouco utilizada para o escoamento de cargas agrícolas no Brasil, a cabotagem pode se consolidar no país a partir da aprovação do projeto de lei 4199/20, conhecido como BR do Mar. De acordo com o estudo da Esalq, a maior utilização da cabotagem poderá causar uma redução geral no valor do frete.  

Sem BR do Mar, transportar grão pelo litoral brasileiro custa o mesmo que enviar à China. A lei pode reduzir custo de transporte em até 50%, diz CNA. O avanço da cabotagem não cria uma “competição” entre navios e caminhões na movimentação de cargas. “É importante ressaltar que a cabotagem é uma operação multimodal, e, na maioria das vezes, será feita de forma simultânea com modais rodoviários ou ferroviários, a exemplo do que acontece com o etanol, que sai do porto de Santos (SP), e é distribuído via terrestre no Norte e Nordeste”, complementa. 

Redução de custos 

Com a aprovação do BR do Mar, o agronegócio brasileiro espera por uma redução dos custos para transportar cargas entre os portos nacionais. Segundo dados da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), 160 milhões de toneladas de cargas foram escoadas via cabotagem de janeiro a outubro deste ano. No entanto, o volume de produtos do campo movimentados nessa modalidade ainda é baixo. 

Devido aos altos custos, hoje não é comum o agro utilizar a cabotagem. Ainda assim, a Antaq tem registros de movimentação do setor agroflorestal, com 1,7 milhão de toneladas de madeira; de soja, com 17 mil toneladas; trigo, com 28 mil toneladas; e etanol, com a movimentação de 550 mil m³ em 2019. O segmento de fertilizantes é um setor que pode ter benefícios com a movimentação de cargas entre portos nacionais.  

Canal Rural, 13/12/2020 

Fonte da imagem: José Fernando Ogura/ANPr