Produção

Nutrien considera expandir produção de potássio com a entrada da BHP no mercado

A canadense Nutrien, maior produtora de fertilizante de potássio do mundo, informou na terça-feira que está avaliando a expansão de sua capacidade de produção anual em 5 milhões de toneladas depois de 2023, na mesma época em que a mineradora BHP planeja entrar no mercado de potássio.

Em uma apresentação para investidores em Toronto, o diretor-presidente Chuck Magro disse que a capacidade adicional consistirá em expansões para as minas canadenses existentes durante a próxima década.

Atualmente a Nutrien tem a capacidade produtiva ociosa de cerca de 5 milhões de toneladas, devido aos preços mais baixos dos últimos anos.

Suas minas existentes poderiam colocar essa produção de volta ao serviço em 2023, levando sua capacidade operacional para 18 milhões de toneladas, disse a Nutrien em uma apresentação publicada online, com a possibilidade de adicionar mais 5 milhões de toneladas posteriormente, de acordo com a apresentação.

O aumento nos preços do potássio na última década deu início a uma expansão global na produção do fertilizante, particularmente pela PotashCorp, a predecessora de Nutrien. A capacidade excessiva resultou em preços enfraquecidos e levou vários produtores a desacelerar a produção.

Mesmo assim, a demanda global por potássio, um nutriente essencial para as plantações de milho e cana-de-açúcar, aumentou de forma constante no Brasil e na Ásia.

A BHP já afundou hastes para sua primeira mina de potássio em Jansen, Saskatchewan, mas seu conselho ainda não comprometeu a maior parte do capital.

Joel Jackson, analista da BMO, disse em uma nota neste mês que espera que a BHP decida, em meados de 2020, se vai terminar a mina, que requer de quatro a cinco anos de construção antes que ela produza potássio.

Mining 28/05/2019