Produção

Monomeros espera o levantamento de sanções

A Monomeros, grande produtora de fertilizantes na Venezuela, deve receber, em breve, licença das autoridades americanas por um período de 18 meses que a permitirá reabrir linhas de crédito internacionais, bem como retomar as importações de matérias-primas dos Estados Unidos e outros fornecedores. Anteriormente, isso não era possível devido às sanções impostas por Washington à Petroquímica de Venezuela (ou à Pequiven, que detém 100% das ações da Monomeros).

Antes da introdução de sanções, a Monomeros atendia até 50% da demanda por fertilizantes na Colômbia e também fornecia produtos a 70% dos produtores colombianos de café, batata e palma. A Monomeros também comercializa químicos industriais, incluindo ácidos nítrico e sulfúrico, sulfato de sódio, carbonato de sódio, soda cáustica, enxofre, ácido fosfórico, amônia e metanol.

Após a introdução das sanções, a produção da Monomeros caiu abaixo de 50% da capacidade nominal, e sua presença no mercado colombiano caiu abaixo de 40%. De acordo com o chefe do Monomeros, John Bilbao, as sanções resultaram em perdas de US $ 20 milhões no ano passado e de US $ 6 milhões nos primeiros cinco meses do ano corrente. O diretor também acrescentou que, se as sanções forem retiradas, a Monomeros poderá aumentar sua produção no segundo semestre de 2019 em até 80%, o que poderá gerar US $ 6 milhões em lucros.

As importações de ureia e amônia, anteriormente fornecidas pela Fertinitro, não serão restauradas devido às sanções impostas. Em vez disso, a empresa pretende adquirir os produtos químicos necessários dos Estados Unidos, Europa e Ásia. Além disso, mesmo sem sanções, a Monomeros não intenciona retomar negociações com a Fertinitro, devido a problemas sistemáticos com o fornecimento de gás natural, quedas de energia e avarias frequentes nos equipamentos.

A Monomeros opera duas empresas de mistura e distribuição de fertilizantes localizadas nos portos colombianos de Barranquilla e Buenaventura.

Fertilizerdaily 13/06/2019