Produção

Dangote Fertilizer inicia pré-teste de planta de Ureia granulada

A Dangote Fertilizer Ltd. iniciou a contagem regressiva para a inauguração do seu complexo de fertilizantes de ureia granulada de US $ 2 bilhões na Nigéria.

Com capacidade de 3 milhões de toneladas por ano, a planta foi classificada como o maior projeto da indústria mundial de fertilizantes. O Siapem da Itália é o empreiteiro de engenharia, compras e supervisão (EPS) do projeto, enquanto a Tata Consulting Engineers, Índia, é a consultora de gerenciamento de projetos (PMC) do projeto.

Muitas seções críticas da planta estão atualmente passando por vários estágios de pré-comissionamento e teste. Praticamente todas as seções da planta, como a sala de controle central, armazenamento a granel de amônia e ureia, torre de resfriamento, usina geradora de energia e usina de granulação, foram concluídas e estão passando por testes.

A Dangote Fertilizer começou a receber suprimento de gás da Nigerian Gas Company e Chevron Nigeria Ltd sob o contrato de compra e venda de gás, através do qual 2 milhões de m³/d de gás natural serão fornecidos à Dangote Fertilizer Limited.

O diretor executivo do Grupo de Estratégia, Desenvolvimento de Portfólio e Projetos de Capital da Dangote Industries Ltd, Devakumar Edwin, disse que a Nigéria poderá economizar US$ 0,5 bilhão em substituição de importações e  faturar US$ 0,4 bilhão em exportações de produtos da fábrica de fertilizantes. “Assim, o suprimento de fertilizantes da fábrica será suficiente para o mercado nigeriano e os países vizinhos”, afirmou.

As estimativas indicam que são necessários cerca de 5 milhões de toneladas de fertilizantes por ano na Nigéria nos próximos cinco a sete anos. Edwin disse: “Estou feliz que, quando nossa fábrica estiver totalmente comissionada, o país se tornará autossuficiente na produção de fertilizantes e ainda terá a capacidade de exportar os produtos para outros países africanos. No momento, os agricultores são forçados a utilizar qualquer fertilizante disponível, pois não têm escolha, mas precisamos saber que o fertilizante que funcionará em um Estado pode não ser adequado em outro Estado, devido ao tipo de solo e composição. O mesmo fertilizante usado para o sorgo pode não ser o fertilizante usado para a cana-de-açúcar”.

Ele ressaltou que o complexo de fertilizantes, localizado em um espaço de 500 hectares, tem capacidade de expansão, pois ocupa apenas uma pequena fração da parcela alocada.

Edwin acrescentou: “A administração do complexo está confiante de que o negócio de fertilizantes proporcionará lucro razoável à empresa e seus acionistas, pois é projetado que o crescimento populacional e a necessidade de produção de alimentos aumentem o consumo de fertilizantes de ureia a partir de 2020, quando a produção da fábrica estará maior.

“O consumo atual de ureia estimado em 700.000 toneladas por ano por agricultores nigerianos deve-se ao uso muito pobre e acredita-se ser a causa do baixo rendimento do produto, o que ameaça à segurança alimentar no país.

“Até 2020, a população nigeriana deverá aumentar para cerca de 207 milhões, o que levaria ao aumento da produção de alimentos. As estimativas apontam que cerca de 5 milhões de toneladas de fertilizantes são necessários por ano na Nigéria nos próximos cinco a sete anos, dividindo-se em 3,5 milhões de toneladas de ureia e 1,5 milhão de toneladas de NPK, enquanto os níveis atuais de produção na Nigéria são de 1,6 milhão de toneladas em 2019″.

World Fertilizer, 27/02/2020

Fonte da imagem: Freepik