Mercado

Setor de adubos tenta dar fôlego à produção no país

“produtor agrícola, com uma colheita que deve chegar a 159 milhões de toneladas de grãos na safra 2011/2012, e terceiro maior exportador de alimentos, o Brasil ainda importa cerca de 70% dos fertilizantes que utiliza em sua agricultura. Foram 24,5 milhões de toneladas desses produtos em 2010 e 23,9 milhões de toneladas entre janeiro e outubro deste ano, segundo a Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda). Com a estimativa de ampliação da produção agrícola brasileira em 40% até 2019, maior será a necessidade de adubos e, portanto, dos minerais que entram em sua composição, como potássio e fosfato. Juntamente com o nitrogênio, produzido a partir do petróleo, eles são utilizados na formulação básica (NPK) dos fertilizantes. As importações de fosfato correspondem a 49% do consumo nacional e as de potássio chegam a 90%.
De acordo com o presidente da Anda, David Roquetti Filho, os investimentos totais em fertilizantes no país devem somar US$ 13 bilhões no período de 2010 a 2016 e representa 182 milhões de toneladas de capacidade de produção adicional. “”Se os investimentos forem concretizados, a relação entre importação e produção nacional vai mudar muito””, diz Roquetti.
A Potássio do Brasil já investiu US$ 30 milhões, desde 2009, em um projeto de exploração de potássio no Estado do Amazonas e vai destinar mais US$ 50 milhões nos próximos 12 meses para definir o tamanho da jazida e sua viabilidade econômica. Segundo Helio Diniz David Argyle, diretor executivo da companhia, as estimativas apontam para uma produção de 4 milhões de toneladas anuais de cloreto de potássio, correspondentes a 60% do consumo nacional. A operação deve demandar investimentos totais de até US$ 4 bilhões em quatro anos.
Já a Vale pretende investir US$ 15 bilhões, até 2020, na expansão de operações e abertura de novas unidades na área de fertilizantes, o que deverá colocar a companhia entre os principais players mundiais do setor. Em 2010, a empresa adquiriu a Fosfertil e as operações de nutrientes da Bunge no Brasil, por um total de US$ 5,88 bilhões, e criou a Vale Fertilizantes, com negócios de fosfato e nitrogenados em São Paulo, Minas, Goiás e Paraná. Em Sergipe, a Vale detém a única mina de potássio em operação no Brasil, a Taquari-Vassouras, com capacidade para 650 mil toneladas por ano. Além disso, a companhia recebeu este ano a licença prévia do projeto Carnalita, também em Sergipe, previsto para ser, segundo a Vale, a maior planta em extração de potássio do país. Com início de operação previsto para 2016, o projeto prevê uma unidade de beneficiamento com produção de 1,2 milhão de toneladas anuais.
A Vale também desenvolve o projeto Salitre, em Patrocínio (MG), em fase de estudo de viabilidade econômica, que consiste em uma mina com capacidade inicial estimada de 2,2 milhões de toneladas anuais de rocha fosfática.
A canadense Rio Verde Minerals, criada em dezembro de 2010 para investir no Brasil, realiza testes em um projeto de potássio na bacia de Sergipe, no município de São Cristóvão e prevê inaugurar, no primeiro semestre de 2012, uma indústria de fosfato no Pará.

Valor Econômico, 13/12/2011