Mercado

Mais adubo, mais produtividade nas lavouras

Os agricultores gaúchos, certamente, vão plantar mais, pois compraram mais fertilizantes. As entregas das indústrias gaúchas de fertilizantes para os produtores rurais totalizaram 2,878 milhões de toneladas nos 10 primeiros meses de 2011, representando um incremento de 9,6% na comparação com igual período do ano passado. A informação é do presidente do Sindicato da Indústria de Adubos do Rio Grande do Sul, Torvaldo Antonio Marzolla Filho. Com mais adubo, haverá mais produtividade nas lavouras. Em nível nacional, de janeiro a outubro deste ano as entregas atingiram 23,898 milhões de toneladas, numa expansão de 19,1% em relação a idêntico período de 2010. A projeção para todo o ano de 2011 é de que o consumo no mercado gaúcho atingirá 3,250 milhões de toneladas, repetindo a marca recorde do ano passado. Os maiores consumidores de fertilizantes são respectivamente os estados do Mato Grosso, São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

Fertilizantes II
O fertilizante está chegando cada vez mais caro aos produtores brasileiros em consequência das deficiências rodoviárias e portuárias do País. Mais de 70% das matérias-primas utilizadas na fabricação de adubos vêm pelos portos, e os portos, além de caros, são ineficientes. Os navios que usaram o porto de Paranaguá, no Paraná, por onde entram cerca de 50% dessas matérias-primas, pagaram mais de US$ 100 milhões, entre janeiro e outubro, por “demurrage”, taxa diária cobrada dos navios enquanto não descarregam e seguem viagem. É o custo Brasil por ineficiência do Estado. Outro ônus é o Adicional sobre o frete para renovação da Marinha Mercante, que incide em 25% sobre as matérias-primas importadas.

Jornal do Comércio, 25/11/2011