Logística

Importações se destacam entre as operações de Itajaí em 2011

O Complexo Portuário do Itajái (SC) teve nas importações o seu maior destaque, já que elas superaram as exportações ao movimentar 211.595 unidades cheias, ante 190.912 unidades cheias para exportação. Ao todo, o Porto Público e seus demais terminais movimentaram 983,98 mil Teus (unidade de medida equivalente a um contêiner de 20 pés), o que significa um incremento de 5% em tonelagem geral movimentada em 2011, em comparação ao ano anterior.
Enchentes e greves de trabalhadores foram fatores que influenciaram bastante as operações de Itajaí no ano passado e, por essa razão, a meta que havia sido estipulada para o ano – a de superar a marca de 1 milhão de Teus movimentados – não pôde ser atingida.
Segundo Robert Grantham, diretor executivo de Itajaí, as expectativas no começo de 2011 eram muito boas: “Ao longo do ano as médias mensais sofreram variações bruscas para cima e para baixo, mas ainda assim, até agosto, acumulamos um crescimento geral de 12%, tanto em Teus como em toneladas”, avalia.
Quase 1.200 escalas foram feitas em Itajaí no ano passado, um número 5% menor que os 1.251 registrados em 2010, o que, de acordo com o porto, evidencia a tendência de concentração de mais cargas por navio, resultado das dragagens de aprofundamento. A escala de navios full contêiner de cabotagem foram as que apresentaram o maior crescimento: 75% em comparação a 2010.
No que diz respeito aos terminais, o APM Terminals Itajaí movimentou 443,54 mil Teus, conquistando um incremento de 15%. Já a Portonave, em Navegantes, teve queda de 5% na movimentação, içando 539.559 Teus, enquanto o terminal privativo Braskame içou 104,34 mil Teus, tendo queda de 42% em sua movimentação, afetada pela queda na movimentação de congelados breakbulk na exportação. O Teporti cresceu 22% ao movimentar 76,12 mil toneladas e o Polyterminais teve queda de 46%, movimentando 35,81 mil toneladas.
A meta de bater 1 milhão de Teus movimentados no ano permanece em 2012: “Existe expectativa inicial do setor para um avanço de até 10% na movimentação brasileira e o Porto de Itajaí deve seguir esse objetivo. Entretanto, esse número para nós é uma incógnita, uma vez que existe uma grande crise na Europa e desaceleração da economia de mercados importantes, como a China e EUA, além de expectativas na redução do PIB brasileiro. Dessa forma, qualquer projeção para 2012 ainda é prematura”, avalia Ayres.

Guia Marítimo, 12/01/2012