Entrevistas

Diretor de Marketing do Grupo Vittia fala sobre o mercado de organominerais e crescimento do grupo

Na entrevista de hoje tivemos uma conversa com o Diretor de Marketing do Grupo Vittia, trazendo informações significativas sobre o mercado de organomineirais, além de contar sobre a evolução do grupo ao decorrer dos anos.

Segue abaixo os principais pontos da entrevista:

Globalfert: Hoje nós recebemos o José Roberto, ainda que virtualmente, para uma conversa sobre o mercado brasileiro de fertilizantes. Nosso entrevistado é o diretor de marketing do Grupo Vittia, José Roberto desde já, eu agradeço a sua participação e gostaria de começar pedindo para você contar um pouco da sua área de atuação e do crescimento do Grupo Vittia nesses últimos anos.

José Roberto: Eu já venho exercendo a profissão de engenheiro agrônomo há um bom tempo, eu me formei em 1983, desde então eu venho trabalhando em nutrição de plantas e fisiologia vegetal, sempre na indústria. Trabalhando predominantemente com fertilizantes especiais e bioestimulante. Tem sido para mim uma tremenda alegria poder acompanhar todo desenvolvimento, não apenas o crescimento, mas o desenvolvimento da agricultura brasileira nesse período de várias regiões do país. Realmente o Brasil bem dando um show, um espetáculo, em termos de competência no agronegócio. O Grupo Vittia nasceu como Biosoja em 1971, como uma empresa produtora de inoculantes para leguminosas, especialmente soja, desde então ele vem em uma trajetória de crescimento, diversificando sua atividade e expandindo suas ações. Em 2014, a empresa adquiriu a Samaritá, uma empresa de fertilizantes especiais com uma operação bastante interessante em mercados relevantes aqui no Brasil e em alguns países vizinhos. Em 2017, a Vittia adquiriu a Biovalens que era uma jovem empresa produtora de defensivos biológicos, jovem, mas vigorosa, que veio em um crescimento bastante expressivo. Nós temos tido a grande alegria de levar ao mercado soluções para o controle biológico, tanto de nematoides, quanto de pragas e doenças. Tem sido uma experiência maravilhosa, nós vemos o quanto o segmento de controle biológico poderá contribuir para a sustentabilidade da agricultura brasileira, e agora no mês passado, a empresa anunciou a aquisição da Vitória Fertilizantes, uma empresa referência na produção de fertilizantes organominerais.

Globalfert: Gostaria que você nos dissesse o que vocês enxergam no mercado brasileiro nos últimos anos e o que vocês veem de tendência, sobre organominerais?

José Roberto: Vamos atentar em entender esse contexto dos fertilizantes organominerais da seguinte forma: primeiro, os solos brasileiros, nós temos principalmente nossa agricultura em ambiente tropical, então nós acabamos tendo solos aqui no Brasil, em sua grande maioria, com baixos teores de matéria orgânica. Então, tudo aquilo que nós pudermos fazer no ponto de vista dos manejos da cultura e de sistema produção, no sentindo de ter uma quantidade suficiente de carbono, de matéria orgânica no solo, nós devemos fazer, porque isso contribui tanto para a melhoria das propriedades físico-químicas, como principalmente para o equilibro da biologia do solo, faz com que o solo se torne mais fértil. Esse é o ganho que nós temos do ponto de vista de sistema de produção, ao introduzir no sistema, matéria orgânica de qualidade advinda dos fertilizantes organominerais. Outra questão que é muito relevante, é questão ambiental brasileira que toca a todo nós, assim como o Brasil vem tendo uma expansão enorme na produção vegetal, o mesmo vem acontecendo na produção animal, o país está se tornando um player importantíssimo do ponto de vista do fornecimento de proteína animal para o mundo, então, expande a produção de aves, suínos e bovinos. Essa produção animal inevitavelmente gera resíduos e esses resíduos idealmente devem retornar ao sistema de produção após um tratamento bem feito, de forma que possa contribuir para as produção das lavouras.

Globalfert: Realmente é uma tendência que a gente use cada vez mais os recursos que temos aqui disponíveis em termos de nutrientes encontrados nos fertilizantes orgânicos. Queria saber, você comentou coma gente, sobre a aquisição da Vitória Fertilizantes, sobre esse crescimento do Grupo Vittia, o que muda para os produtores brasileiros? O que eles irão encontrar de diferente agora no mercado?

José Roberto: Essa é uma pergunta muito interessante Juliana, porque no fim das contas, o que a indústria e a pesquisa tem que fazer é levar as soluções mais efetivas para que o produtor tenha um sistema de produção sustentável e possa ter dentro disso, porque isso faz parte da sustentabilidade, possa ter rentabilidade na sua operação. Basicamente o produtor vai contar com mais recursos no sentido de manejar a fertilidade do solo, de remanejar a nutrição das plantas. Os fertilizantes organominerais e orgânicos já vem sendo usados a décadas no país, mas muito restritos a certos nichos de mercado. Então, por exemplo, olericultura, a fruticultura brasileira, que são atividades intensas em termos de produção, já fazem o uso de desse tipo de recurso a muito tempo, mas como a oferta de fertilizantes orgânicos ou de organominerais é relativamente baixa, esse uso fica restrito a certos nichos de mercados. A partir do momento em que nós tivemos condições de aproveitar os resíduos da produção animal, ofertar mais fertilizantes orgânicos e organominerais de alta qualidade o produtor vai ter uma gama maior para administrar a fertilizantes de solos e nutrição das plantas.

Globalfert: Então só benefícios para os produtores aqui no Brasil. Gostaria de saber o que podemos esperar do Grupo Vittia, em termos de aquisições, a curto e médio prazo?

José Roberto: O Grupo Vittia vem se destacando no cenário brasileiro por desenvolver tecnologias altamente adaptadas a cultura tropical, nós temos toda uma vertente de crescimento orgânico no grupo entendemos que o setor de controle biológico vai crescer de uma maneira importante nos próximos anos, assim como o de organomineral. Então nós vamos investir nas nossas operações atuais, como o grupo já vem historicamente fazendo. Agora quanto as novas aquisições, nós estamos sempre de olho em possíveis oportunidades. O que nós consideramos oportunidades: companhias que podem ser incorporadas pelo nosso grupo, gerando sinergia para os negócios presentes. Um dos pilares no Grupo Vittia, é a sustentabilidade, então nós só devemos investir em tecnologias que contribuam para a sustentabilidade. Nós não podemos dizer se estamos estudando algo no presente o momento, mas estamos permanentemente observando as oportunidades existentes no mercado.