Entrevistas

Diretor da BRAV, Luiz Augusto de Freitas, fala da relação de fertilizantes com os equipamentos de sua produção

Luiz Augusto de Freitas é formado em engenharia mecânica pela UNESP de Bauru. Possui formação baseada no segmento de equipamentos industriais tendo atuado como Gerente e Diretor de Engenharia de Equipamentos nos últimos 30 anos, na BRAV ocupa posição de Diretor de Engenharia e Desenvolvimento.

 

A BRAV é uma empresa de equipamentos industriais que atua no mercado brasileiro desde 2013. Um dos segmentos de participação da empresa é a de Fertilizantes que vem crescendo ano a ano no país e tem perspectiva de manter esse cenário para os próximos anos. Qual é o reflexo desse crescimento do mercado de fertilizantes na BRAV e atualmente quanto ele representa no negócio da empresa?

 

O segmento de Fertilizantes é um dos principais mercados para a BRAV e o aumento anual do consumo de insumos faz com que nossos clientes busquem cada vez mais a melhoria de suas instalações adquirindo equipamentos maiores e mais modernos. Atualmente, o segmento de Fertilizantes, seja em unidades misturadoras ou unidades de granulação, é responsável por mais da metade do faturamento da BRAV.

 

Além do mercado de fertilizantes a BRAV atua também no mercado sucroenergético, importante setor no agronegócio nacional. Com essa visão em dois pontos no agronegócio, qual a visão da empresa nesse mercado para os próximos anos? De que maneira essa movimentação no agronegócio nacional está interferindo na estratégia de negócio da BRAV?

 

O mercado sucroenergético sofreu muito com a crise dos últimos anos. Dezenas de usinas encerraram suas atividades e, consequentemente, os fabricantes de equipamentos foram diretamente impactados. Entretanto, o consumo mundial dos principais produtos provenientes das usinas (açúcar, etanol e energia elétrica) só aumenta a cada ano. O cenário atual é de grande esperança de retomada gradativa do setor sucroenergético nos próximos anos, principalmente pela expectativa do RENOVABIO (Política Nacional de Biocombustíveis) entrar em vigor em 2020, assegurando a previsibilidade do setor e promovendo a expansão dos biocombustíveis na matriz energética brasileira. A BRAV acompanha essa movimentação do setor desenvolvendo produtos inovadores e eficientes que se encaixam na necessidade de cada cliente.

 

Dado o cenário econômico atual e que a indústria brasileira como um todo está passando por dificuldades, quais são os principais desafios que a BRAV precisa enfrentar para manter um ritmo de crescimento sustentável?

 

A falta de investimentos devido à instabilidade política e econômica fez com que o crescimento da indústria brasileira no primeiro semestre ficasse abaixo das expectativas. A BRAV, por ser uma empresa relativamente jovem, tem facilidade de se readequar às novas realidades do mercado. O desenvolvimento contínuo dos projetos de nossos equipamentos, aliado à melhor produtividade da fábrica é sempre o maior desafio a ser batido, visando manter um ritmo de crescimento sem aumentar os custos fixos da empresa. Para isto, buscamos sempre o aperfeiçoamento dos colaboradores, aquisição de máquinas modernas e melhorias em nosso modelo de gestão.

 

Com a maior profissionalização do produtor rural e com a constante busca por aumento de produtividade, a qualidade dos insumos tornou-se fundamental e para isso os equipamentos que processam os fertilizantes precisam ser cada vez mais eficientes e de maiores capacidades. Como a BRAV trabalha nesse sentido de inovação tecnológica?

 

De fato, com as novas unidades misturadoras de fertilizantes e expansões de unidades existentes, os clientes estão buscando capacidades de produção maiores e mais eficientes. A BRAV vem acompanhando a evolução do mercado e desenvolvendo seus equipamentos para atender a demanda de seus clientes. Neste sentido a BRAV desenvolve sua tecnologia e fabrica todos os equipamentos da linha de processamento das unidades de misturas de fertilizantes, desde a recepção através de sistemas de manuseio de sólidos (moegas, balanças, transportadores, elevadores, etc.), passando efetivamente pelo processo de mistura (peneiras rotativas, peneiras vibratórias, misturadores, misturadores, sistemas de dosagem de micronutrientes, etc) até chegar em sistemas de expedição do produto (silos de médio e grande porte, balanças, sistemas automáticos de expedição à granel , etc). Para as unidades de granulação, a BRAV atua como fabricante de equipamentos de acordo com especificações do cliente final ou através de parcerias, aplicando ligas especiais e rigorosos controles de qualidade em seus equipamentos.

 

A BRAV também tem atuação nos mercados da África e demais países da América Latina. Há um plano de expansão para outros países no setor de equipamentos para fertilizantes e sucroenergético? Quais países você enxerga que tem potencial de crescimento desse setor?

 

A atuação da BRAV fora do Brasil é feita através de empresas parceiras que atuam como Traders e Integradoras de Sistemas. Para o setor sucroenergético, o mercado latino americano já é bastante amplo, com a cultura da cana de açúcar difundida em praticamente todos os países; já no continente Africano existe bastante espaço para crescimento, principalmente na chamada África subsaariana. O desbravamento desses mercados tem que sempre ser visto com cautela, pois existem riscos e características inerentes de cada origem. Já no segmento de fertilizantes existe grande potencial de crescimento de consumo em países da América Latina, o que justificaria investimentos em instalações novas de produção.

 

Sobre a BRAV

 

A BRAV Equipamentos Industriais LTDA é uma empresa dedicada ao fornecimento de equipamentos e soluções técnicas para a Indústria Sucroenergética e de Fertilizantes, tanto para unidades de mistura quanto para granulação. Localizada em Uberaba/MG, a empresa conta com experiente equipe de engenharia e moderno parque industrial capaz de fornecer equipamentos robustos, modernos e eficientes. A BRAV é a empresa responsável pela engenharia, fabricação e instalação das maiores Unidades Completas de Mistura do Brasil nos últimos anos, com capacidade nominal de até 280 t/h. Seguindo as tendências de mercado, modernos sistemas automáticos de dosagem e mistura de micronutrientes foram implantados pela BRAV, assegurando aos Clientes a gama de produtos que o mercado requere.

Equipe GlobalFert, 09/08/2019